21 de mai de 2009

Música



Tente, mesmo que por instantes, definir o que é a música

Essa manifestação comunicativa é tão complexa e composta por tantos elementos, que se torna impossível definir o que é a música.

Música é música. Até um tolo entende o que é música, não precisa ser ensinado.

Música, no meu entendimento, é o idioma da alma. Já sabia, quando este artigo passou por minha cabeça, que eu iria me estender. Vou começar explicando os motivos.

Já tive uma coleção de CDs com mais ou menos trezentas peças. Isso na década de 90. Atualmente, depois de guerrear com a vida por um tempo, sobraram só alguns, os muito especiais. Eu os gravei e fiz backup. Irei disponibilizar minha coleção de CD´s (os remanescentes), umas trinta e poucas peças, muito especiais para mim. Espero que gostem. Mas vamos voltar a música.

Desde que me conheço por gente, aprecio música. Acredito que tudo o que é vivo, aprecie música. Já mostraram que vegetais que ouvem música se desenvolvem mais. Quer loucura maior que esta? Prova de que a música está diretamente ligada à centelha divina da criação.

Diz a física moderna que tudo é onda. Som se propaga através de ondas. Ondas. A música nada mais é que uma ordenação arbitrária nas ondas.

Onde há música, há ritmo. O ritmo é a base da música. Sem ritmo, não há harmonia nem melodia. Música não existe sem ritmo.

A vida é ritmo. Ritmo, nada mais é do que movimento cadenciado. 

"Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui, que se move, movimento regulado." - Wikipédia

Através do ritmo, da cadência, conseguimos construir harmonias e melodias. Quando encontramos estes três elementos, nos deparamos com a Música.

Se você não sabe, eu te conto: John Milton Cage se trancou numa sala livre de ruídos para escutar o silêncio e quão pasmo não deve ter ficado ao constatar que seu sistema nervoso, sua circulação sanguínea e seu coração não permitiram à ele perceber o tal silêncio. Notem: coração, ritmo; circulação, harmonia; sistema nervoso, melodia. Assustador, não? O cara conseguiu ouvir a música da vida, literalmente. No final do post vou por a melhor composição dele, em vídeo.

Claro, existem muitas opiniões sobre o que é música, só quero registrar a minha. Assisti (atônito, confesso) o mundo mudar de analógico para digital. Junto com essa transformação, aparecem diariamente vertentes nunca antes imaginadas no mundo musical. Ou vai me dizer que algum músico da década de 80 sonhou algum dia com o MySpace? Mas vamos voltar à musica.

Para falar de música, (já li uns 30 artigos à respeito, estou ficando com medo do que vai sair aqui), fico obrigado à falar de percepção.

Música é percepção. Acabamos por chamar de música a ordenção de sons ritmados. Nem sempre o que é música para um, é para outros. Cheguei a ler por aí que existe uma predisposição biológica para a música, como se fosse uma ROM devidamente instalada em nosso cérebro. (ROM - Read Only Memory, a bios do computador).

Na natureza, música é sexo. O passarinho canta alto e capricha na melodia para atrair a fêmea. A baleia entoa cânticos de acasalamento. E se gravarmos um casal em coito, a sucessão de ruídos, gemidos e sons, com certeza será música. 

Parece que a existência é uma música.

Faz sentido, a existência é uma música. Chega de divagar e vamos aos artigos que considerei interessante:

Pesquisas recentes revelam que a música tem mais a ver com biologia do que com nossa inspiração e escolhas estéticas
Por Rodrigo Cavalcante - Superinteressante 161

Pode ser difícil acreditar que uma melodia tenha qualquer utilidade quando você escuta seu vizinho desafinado. Mas acredite: novas teorias afirmam que a música mudou o ritmo da evolução humana
Superinteressante 203

Wikipédia, claro. Pt - En;

Sobre a História da Música - Almanaque wikipédia