29 de dez de 2008

Você conhece o Abandonware?

Já ouviu esta expressão?

Para quem já está na estrada há algum tempo e sente saudades da infância, registro aqui uma das minhas descobertas de 2008:

Abandonware


Abandonware é um software (programa de computador) cujo desenvolvimento, distribuição e comercialização foi abandonado, pois o direito de exploração da propriedade intelectual caducou ou abdicou-se da vantagem econômica deste direito (desinteresse).

23 de dez de 2008

Feliz Natal! Feliz?

Inacreditável. O natal me deprime. Muito. A hipocrisia aflora e se faz presente em todo canto. As pessoas "desconhecidas" trocam gentilezas, sorrisos, obrigados e por favor... Mas é tão falso que chega a ser plausível, me dá ânsia.

Quando alguém me deseja feliz natal, olho em volta e penso... Feliz?
Lembro da TV... Feliz?
Vou à igrejas, templos, cultos... Feliz?
Passo por hospitais, cemitérios... Feliz?
Me recordo do que fizeram com Jesus... Feliz?
Vejo um garoto no Nepal que só quer meditar e em paz e tem que se esconder para isso... Feliz?

Depois que assisti ao documentário Terráqueos, perdi o significado da palavra "feliz"... Sinceramente, ela me traz uma lembrança enevoada de um certo apresentador de previsão do tempo...

Feliz... A única coisa que consegue me deixar feliz, é a consciência de que essa existência é o começo de uma longa jornada. E ela terá fim. Uma jornada "tentadora", afinal são inúmeras possibilidades. Agora, convenhamos... Feliz Natal é foda. O fato de saber que pertenço a uma minoria, me deixa preocupado. A realidade que presenciamos é muito triste. Enchemos a boca para dizer que somos 6.5 bilhões de pessoas sobre a terra... e 50% disso nunca usou um telefone. E mais outros tantos por cento morre de fome. Morre em guerras... Morre em filas de hospitais públicos...

Digo que sou minoria porque cheguei no "nível superior"... Quando olhei lá de cima, desisti. De verdade. Minha visão sobre o mundo é bem particular.

Fiquei com vontade de esculhambar o natal. Afinal, mentir é mesmo necessário? Tentamos ensinar as crianças a não mentir... Mas mentimos sobre o papai noel. Por que não esclarecer sobre quem foi o tal do Nicolau? Lí por aí que a imagem que temos hoje do tal noel, foi construída por uma marca maldita. Tenho esse péssimo hábito, de ler e depois não lembrar onde. Por que tudo isso é apoiado?

De onde viemos? Quem somos? Para onde vamos? Onde estamos?

As respostas me dão ânsia... Pergunto de novo: Feliz?

2009 anos depois, ainda não sabemos o que fazemos.

Hoje fiquei muito triste. Inconsolavelmente triste. Fui atrás de uma determinada música e descobri que seu intérprete "has passed away". Fica aqui a homenagem:

22 de dez de 2008

Baú "BOHEMIA"

















Como fazer uma bancada de trabalho

Para quem viu minhas imagens, mais especificamente o álbum "first step", verá que estou numa posição ruim, apoiado numa "mesa" muito baixa. Sim, eu realmente "tinha" esse problema. Como estou sempre sem dinheiro, não tinha como comprar uma mesa. Eis que conversando com um primo meu, que eu não via há muito tempo, ele me pergunta, "mas quanto custa uma mesa"?

Ora, sou da seguinte opinião: para que comprar pronto, se posso fazer? Falei para ele que com R$ 50,00 eu montava uma mesa. Cheguei bem perto, junto com as ferragens, ficou por R$ 56,50. E agora eu tenho uma bancada, não uma mesa.


O primeiro passo foi ir buscar o material. Madeira, parafusos, cantoneiras.


Mãos à obra! Felizmente, tenho todas as ferramentas que preciso.


A idéia começou uma, mas foi se transformando, diante das possibilidades que se exibiam conforme o trabalho ia caminhando.


O apoio está pronto.


Falta apenas uma peça, a madeira transversal que unirá o apoio ao tampo e anulará qualquer tipo de "jogo" da mesa.

Foram exatas cinco horas e meia de trabalho. Mas finalmente tenho uma bancada para trabalhar tranquilo, sem medo de causar algum dano à minhas costas. Deixo aqui o agradecimento ao meu primo, "Valeu, Marcelo!", sem ele essa bancada não existiria.

E assim vamos caminhando.

19 de dez de 2008

O Nome da Rosa - Jean-Jacques Annaud / Umberto Eco


Der Name der Rose (br / pt: O nome da rosa) é um filme dirigido por Jean-Jacques Annaud baseado no romance homônimo do crítico literário italiano Umberto Eco.

Nesta obra, o primeiro romance do autor, publicada na Itália em 1980, e no Brasil em 1983, Eco utilizou um roteiro policial, no estilo do inglês Arthur Conan Doyle, que prende fortemente a atenção do leitor. Sucesso em várias línguas, foi levada para as telas em 1986, atingindo um público ainda maior. A expressão "o nome da rosa" foi utilizada na Idade Média, significando o infinito poder das palavras. A rosa subsiste por seu nome, apenas; mesmo que não esteja presente e nem sequer exista. A "rosa de então", centro real deste romance, é abiblioteca de um antigo convento beneditino, na qual estavam guardados, em grande número, códices preciosos: parte importante da sabedoria grega e latina que os monges católicos conservaram através dos séculos.

Na última semana de novembro de 1327, em um mosteiro da Itália medieval, a morte, em circunstâncias insólitas, de sete monges em sete dias e noites é o motor responsável pelo desenvolvimento da ação. Um monge franciscano é chamado para solucionar o mistério e cai nas malhas de uma trama diabólica.

Na forma de uma crítica, as violências sexuais, os conflitos no seio dos movimentos heréticos do século XIV, a luta contra a mistificação, o poder, o esvaziamento dos valores pela demagogia, constroem uma genuína reconstituição de época aos olhos do espectador.

Fonte: Wikipédia (Acessado em 19/12/2008 - LINK)


Filme denso e cheio de entrelinhas. Livro, magistralmente escrito. Obras que recomendo e disponibilizo o acesso:

Filme - Baixe o torrent: clique aqui

Livro - Baixe o pdf: clique aqui

Aguardo opiniões!


12 de dez de 2008

Rolê pelo bairro... Ou meu 1º post fotográfico

Já que a imagem vale mais que mil palavras, deixo aqui meu registro fotográfico do bairro que habito. Agora são 1:58. Acabei de capturar a imagem de um "acidente" que aconteceu agora na Radial Leste. Aproveito e mostro algumas fotos que fiz do bairro, te convido à passear...

1. Acidente - Radial Leste - por volta das 2 da manhã
2- Voltando já, quase em casa.
3. De quem é o descaso afinal?
4. Prédio Abandonado
5. Isso é civilização? Se proteger em barricadas? Vivemos em guerra?
6. Isso é mesmo necessário?
7. Um bêbado em situação vexatória.
8. Onde vai tanto dinheiro?
9. A escola das "criança"
10. Você sabe o significado literal deste sinal de trânsito?
11. Pode alguém me convencer que isto não passa de um tremendo desperdício?
12. Sampa e suas luzes...
13. Protege? Quem? De quê?
14. Local para apresentação de comédias e tragédias...
15. Lixo, entulho... Quando o ser humano vai entender que nada neste planeta se "joga fora"?
16. Abarrotadas. Ambas.
17. ...
18. Preste atençao na dica... PARE! PENSE! OLHE!
19. FAÇA O BEM
20. Ou senão... :)
21. O descaso do ser humano é grave...
22. Afinal, é só lixo, não é mesmo? Um catador vai ficar feliz com a latinha.
23. Ficou com vontade? Também eu. Adoro brigadeiro. :)
24. A noite mais clara que já vi.
25. Deixando os melindres de lado, eis que surge uma nova obra no local do "apagamento" da prefeitura.
26. Gostei. Adoro o fogo.
27. Vrummmm :)
28. Arte Urbana
29. Mais uma vez, achei muito bom, ainda não está 100% mas em breve...
30. Afinal, o que faz a GCM lá?
31. VRUMMMM :)
32. Eu gosto. Sou suspeito...
33. Olá.
34. Tchau.
35. Suspeito, não?
36. Homens sempre batem a cabeça.
38. Mas só até as 22, senão a Cuca te pega...
39. Obras.
40. Desculpe o transtorno, já disse, obras. Mas é para melhor atendê-lo!
41. Desculpe-me, mas só consigo imaginar o quão terrível isto é para um cego.
42. Enterre e tampe aquilo que você não quer ver.
43. Tudo o que sobe...
44. Desce.
45. Mais um local de comédias e tragédias... Este aqui tem nome de mês...
46. Capa de disco de chorinho. :)
47. Faltou só o Obrigado!
48. O Poder Constituído.
49. O 1º. Pertinho de casa.
50. Já encheu o saco por legenda :)
51. Mas continuando, apesar do bares convidativos...
52. Temos muito chão pela frente.
53. O Bixiga, mêu. (+)
54. Bundas de garrafa na calçada...
55. Uma triste praça vazia.
56. Não sei se quero saber onde certos caminhos podem nos levar...
57. Os caminhos podem ser tortuosos...
58. Entendeu? :)
59. Por que, ou melhor, pra que tantas luzes?
60. É muito desperdício.
61. Mas ainda assim a acho bela.
62. Será?
63. Este lugar era para ser sério...
64. Pena que você não possa inalar a atmosfera deste lugar...
65. Vêm, pode vir, o sinal está aberto...
66. Atravesse por sua conta e risco :)
67. Semáforo humano. 
68. Deprimente.
69. Bela, ainda?

70. Suja.
71. Podre.
72. Bizarra.
73. Liberdade?
74. Repare na tenda...
75. Mas não é um mundo maravilhoso?
76. Às vezes fico em dúvida...
77. Felizmente temos a realidade.
78. E assim caminha a humanidade, tropeçando nas próprias pernas.