13 de fev de 2009

Sexta-feira 13, 13:13 pm

Os vídeos citados no texto estão disponíveis no final do post.

Faz tempo que não publico no Blog.

Muita coisa para dizer.

"Só não saber como."

Comecei alguns posts, que ainda estão rascunhos, mas não continuei.

São pessoais. São minhas frustrações.

Frustrações de um ser que viu o encanto da vida cair por terra perante o comportamento de seus irmãos. Sim, depois de muito ler à respeito de diversas religiões, inclusive aprofundar sobre o que é teologia, cheguei à conclusão que somos todos à mesma coisa, portanto, tudo o que é vivo é irmão.

Ainda sinto vergonha de publicar o que escrevo. Portanto, alguns textos continuarão inéditos.

Através da rede social diHITT, descobri "Zeitgeist, the movie".

Um filme que não mostra só o problema. Ele te arregala o olho e te faz enxergar as coisas como elas são. Fora isso, ainda tem o "Zeitgeist, Addendum".

Ontem, ví o FHC falando sobre descriminalização do THC.

A maconha não é ilegal porque dá barato quando fumada.

O inimigo da Dimba é o óleo de pedra. É o petróleo.

Repito, para quem não entendeu, maconha é ilegal porque pode substituir o petróleo.

Quem vai atrás da história, percebe isso fácil, fácil.

E o petróleo, na minha humilde opinião, é pior que merda.

A eletrecidade é perfeita! Para que usar petróleo? 

Por que não ouço pessoas "importantes" falando de coisas importantes?

Num país onde impera o contraste rico/pobre, quem tem, está bem e quem não tem, coitado. Aí dizem pro cidadão que não tem que se ele quer ser alguém na vida, ele deve estudar.

Depois ele cresce e acredita que realmente é alguém, um doutor, padre, policial, professor, político, artista, que colabora efetivamente para nossa perfeita sociedade!

Bom, vamos falar de História do Brasil. Neste país, os territórios nunca estiveram à favor do povo. Sempre, desde as capitanias hereditárias, a "terra em que se plantando tudo dá" pertenceu à poucas pessoas. Até pouco tempo atrás, éramos uma sociedade escravagista. Declaramos que não éramos mais e abandonamos milhares de pessoas à própria sorte. As "donas" de terra continuaram assim, nada mudou. Nascemos como colônia, isto é, como fonte inesgotável de recursos valiosos, que foram sumariamente explorados e depois que já não havia mais nada tão à mão, em 1825 tivemos nossa "independência" reconhecida. No "governo", as mesmas pessoas de sempre, fazendo o que fazem sempre, falando demais e fazendo de menos. Fazendo de menos para o bem coletivo, porque para interesses prórpios, fazendo de tudo. Inclusive matando. E para aplacar a ira da multidão, a receita vem da Roma antiga: Pão, Vinho e os Jogos! Enquanto a população dita brasileira acompanhar futebol como a máxima realização humana, estaremos estagnados. Continuarão no "governo" as mesmas pessoas, que são descendentes diretos das mesmas que já estavam lá desde as capitanias hereditárias. E o povo, continua achando o máximo cair no samba. Viva o carnaval. Viva o Lula! Viva Lampião! Um viva para o povo acéfalo e cego que vive no Brasil varonil! Afinal, é lindo ser ignorante de dizer de boca cheia, "eu não gosto de ler", ou "só leio revistas e jornais, o caderno de esportes". Por favor, passamos da hora como Brasileiros de exigir que mudanças profundas sejam feitas em nossa sociedade. Deixemos de ser macacos de repetição e vamos mudar a maneira de encarar o mundo.

Se existe um cancro na sociedade, a origem do tumor, as células cancerígenas, são as cédulas. O dinheiro. A perdição de Roma. Denarivs. Salário. Escravo. Simples assim.

Dedique quatro horas da sua vida para assistir o Zeitgeist, the movie e o Addendum.

Duvido que você continue igual.

Se quiser se aprofundar, assista também ao Terráqueos. Felizmente, eu finalmente sei o que eu sou. E também sei que o que me deixa profundamente triste, é saber que são todos meus irmãos. E que todos estão imersos numa ilusão sem sentido, confortáveis em suas ocas, babando na frente da televisão, bebendo cerveja, falando besteira e dando risada.

Perante um universo tão grande, vasto e diversificado, é absolutamente terrível ver como o ser humano é mesquinho e animalesco. Mas... assista. Você entenderá o que estou falando.

Ainda não consegui ir para Moema. Portanto, para quem quiser entrar em contato comigo, me liga antes. Posso estar no ateliê ou em casa. São muito próximos portanto, antes de vir, me liga!

Nesse meio-tempo que fiquei sem vir por aqui, dei uma abandonada na internet, desencanei de "existir" on-line, já que na prática, ainda não me resultou em lucro. Ora, vivemos numa sociedade capitalista. O único objetivo do capitalismo é o lucro. Por que devo perserguir outra coisa?

Portanto, estou selecionando muito o que ando fazendo.

Bom, deixando o pessimismo de lado, encontrei um RPG digno de nota. O melhor, grátis. E muito "old school". Tenho dedicado algumas horas da minha vida à uma personagem. o jogo se chama Nodiatis, o que me chamou a atenção foi o fato de ser um "difficult rpg". Aproveitem, ainda dá para fazer uma conta grátis. E eu gostei muito do jogo. http://www.nodiatis.com/

Outro jogo que também tenho me divertido é o Impéria Online. Ah, ambos são "browser games", dá para jogar em qualquer lugar!

Bom, espero que a partir da segunda quinzena de fevereiro pare de chover, pois meu ateliê é um quintal e com chuva, "necas de pitiribas", eletricidade e água não combinam. Tudo bem, concordo que tem que chover, mas chega, não posso nem dizer que são chuvas de verão, estão parecendo as monções!

Fora isso, nesse meio-tempo entre o último post e este, fiz dois pares de baquetas e uma placa para uma chácara, além de ter finalizado a placa de pirografia. Só não acho certo, ir para moema com apenas uma peça, investir tempo, dinheiro, porque tenho que alugar a barraca, para mostrar apenas uma peça. Encontrar um parceiro para preencher essa lacuna está difícil. Mas sei que vou encontrá-lo.

Bom, vou voltar ao mundo real. Seguem os vídeos, que considero importantíssimos para um melhor entendimento do mundo e da sociedade (podre) em que vivemos.

Zeitgeist, the movie


Zeitgeist, Addendum


Terráqueos


PS. Fique à vontade para se expressar através dos comentários, após assistir essas três obras.