27 de out de 2008

Eleição. Festa da Democracia? Que Democracia?

Há!
Navegando, encontrei isso: http://www.infomaniaco.com.br/noticias/tse-cogita-voto-pela-internet-no-brasil/
Pô, conversei à respeito disso com minha esposa, ao descobrir o Kassab reeleito.
Fiquei feliz do cara ser reeleito. Votei nele. A Cidade sem propagandas ficou outra. Mas tem muito à fazer, principalmente com o povo que vive na rua, uma legião de seres humanos que vivem numa situação degradante. Mas vamos tratar do que assunto do título.

Depois de ler O Espírito das Leis, de Montesquieu, sete anos atrás, entendi como funciona nosso sistema político. Pelo menos entendi a lógica do sistema. Como uma verdadeira Democracia funciona. Atualmente, o que vejo é o Brasil como um AKIRA. Uma Democracia torta. Onde já se viu ser OBRIGADO à votar... OBRIGADO à servir exrército... Pagar impostos altíssimos para sustentar uma corja de pessoas que refletem o povo! Diz Montesquieu que os políticos são o espelho do povo. Numa Democracia a voz da maioria é Lei. Isso não acontece aqui. O cidadão tem acima de tudo o dever de escolher ou não participar da sociedade em que vive. Isso não acontece aqui. Somos uma nação baseada em desconfiança e sordidez. 500 anos de história suja, favorecimentos pessoais e paternalismos. Neste país, temos a sensação de sermos enganados diariamente. Isso é o povo Brasileiro? Que mostra pessoas honestas no jornal, no programa dominical, como heróis? Heróis? Que conclusão você tira disso? Ser honesto é obrigação, não qualidade. Quando todos acham admirável um gesto honesto, é porque são desonestos. O povo brasileiro tem falha de caráter. Ser Honesto significa ser otário. Ou estou mentindo?

Venho na rua, paro no bar para comprar cigarros. Em cima do Balcão, uma carteira. Peguei a carteira, mostrei para o caixa (provavelmente o dono do bar, um português) e soltei, Ó, perdida, daqui a pouco vão vir buscar. Sinceramente, o que veio seguir me chocou. As pessoas dentro do estabelecimento ficaram me olhando como se eu fosse alien. Eu senti a alteração na percepção de tempo. A admiração que um gesto tão ridículo causou, me deixaram triste. Ora, é simples. O que eu quero com o que não é meu? 50 reais vão mudar minha vida? Não deste jeito.

Nas eleições passadas para prefeito, anulei meu voto. Não haviam candidatos sérios. Neste, dei meu voto. E vou cobrar. Acompanhar com lupa. Meter a boca, incomodar a prefeitura. Inclusive, peço que torçam, estou pleiteando uma vaga na feira de artesanto de Moema, para expor a pirografia. Tenho algum resultado em novembro.

Voltando à conversa com minha esposa, lancei o seguinte: Se fosse uma democracia real, votávamos ali ó, no computador. Em casa. Em qualquer lugar do mundo um brasileiro deveria poder votar através da internet. Fraude? Para isso existe o controle humano.

Concordam? Discordam? Aguardo opiniões.